volver

Abril 19, 2009 at 3:18 pm (histórias, música, nostalgia, pensamentos, viagem, video) (, , , )

Estou de volta. Depois duma semana rica em acontecimentos, sinto que devo contar-vos o que tenho feito, além de negligenciar este blogue.

Comecei, na semana passada, por visitar os meus cunhados das Caldas da Rainha, em cuja casa sempre me senti como num pequeno paraíso. A paz e o bom ambiente, a simpatia deles e a falta de preocupações, a paisagem e a papinha boa da Cristina conseguiram sempre carregar as minhas baterias, e eu bem precisava, para poder enfrentar um internamento e uma cirurgia.

casa-broieras1apus-broieras1

Na segunda-feira passada fui para o hospital CUF para uma tiroidectomia. Correu tudo bem, fui bastante mimada no hospital, o cirurgião foi um artista, tive o apoio incondicional do meu marido. A experiência, apesar de traumatizante por ser… aquilo que é, acabou bem e tirou um grande fardo dos meus ombros. A vida sabe melhor depois disso, estou muito contente.

eu

Na quarta-feira, dia dos meus anos, tive alta do hospital depois duma visita simpática do cirurgião (que, para se despedir de maneira engraçada, deu-me umas pancadinhas na cicatriz ahah 😦 ). Fui parar a um restaurante, junto com a minha amiga Claudia e o meu marido, claro.

restaurant

Foi o dia de anos mais… diferente da minha vida. Aliás, foi a segunda vez que passei esse dia no hospital (a primeira foi há uns 6 anos, quando estive no hospital de Faro com um joelho a dar-me cabo da cabeça).

Agora estou novamente nas Caldas da Rainha, a desfrutar a hospitalidade dos meus cunhados. Amanhã, depois de resolver alguns assuntos, volto ao Algarve, para continuar o meu trabalho e a vida normal.

E, por ser Domingo (não se esqueceram?), há música romena. Eis a “Balada” dum compositor romeno da época romântica, Ciprian Porumbescu, um dos melhores da minha terra. Esta música mexe comigo, portanto merce estar aqui, no meu “top” de músicas.

Anúncios

Permalink 3 comentários

ainda não foi o fim do séjour

Fevereiro 5, 2009 at 9:53 pm (artes, artesanato, bijutaria, criação, histórias, viagem) (, )

Apesar de não costumar enganar as pessoas, eis que o post de ontem mostro-se falso: ainda não parti para o Algarve, mas sim fiquei mais um dia em Cascais, com a minha amiga, às insistências dela e com a minha vontade também claro.

lisboa6

Em vez de estar já em casa, no Algarve, não resisti à tentação de passar um dia “entre meninas”, com uma conversa infinita, ao passear em Lisboa, à compra de massa de modelar, a comer um bolo, a tirar fotos de prédios que parecia ver pela primeira vez, apesar de ter vivido já em Lisboa.

lisboa5

Só as mulheres podem compreender o quão agradável é perder o tempo na cidade, numa cumplicidade feminina que me faz tanta falta no Algarve.

lisboa4

Portanto, como estava a dizer, amanhã vou para o Algarve para continuar a fazer anéis e a minha vida habitual 🙂

Permalink 2 comentários

fim de séjour

Fevereiro 4, 2009 at 9:58 pm (artes, artesanato, bijutaria, criação, histórias, manualidades, viagem) (, , , )

Acaba o meu séjour em Cascais. Amanhã parto para o Algarve, para a casa, onde me espera a pessoa amada, onde os cães  farão uma festa, onde há pinheiros altos e onde o mar não é assim tão temperamental como aqui. Vou para a casa.

acasa

Nos últimos dias não fiz nenhum anel, nem sequer toquei na massa ou na madeira. Não fui capaz, não sei porquê. Mas fui a Lisboa, à compra de materiais. Como sempre, comprei de maneira compulsiva aquilo de que gostei, apesar de prever uma surpresa desagradável ao consultar o cartão  multibanco, mais tarde… E assim foi, mas valeu a pena.

sarma-multa

A tarde toda andei debaixo duma chuva que teria desencorajado qualquer maluco de sair à rua, à procura duma loja que nem sequer sabia onde se encontrava. Percorri o Martim Moniz todo, entrei em dezenas de lojas que pareciam vender aquilo que eu queria. Deram-me explicações num português tão mal, tão mal, que encontrei a loja só por acaso.

lisabona

Valeu a pena, como estava a dizer. Sentia-me como uma criança numa loja com doces, com as mãos a tremer em cima dos rolos de organza e de arame colorido.

organza

A excursão a Lisboa foi uma de prazer, desta vez. Ultimamente tenho visitado a capital só para ver médicos, mas  agora almocei com a Claudia, a minha amiga romena, no simpático bar-restaurante da Casa de Macau.

casa-macau

Depois de ter vivido 4 anos em Lisboa, desta vez já nem sabia usar os bilhetes de autocarro (tanta coisa mudou!)

Afinal, foi um séjour interessante o de Cascais, agradável, relaxante. Amanhã vou para a casa…

Permalink 4 comentários

contas lisboetas

Novembro 6, 2008 at 1:21 am (artes, artesanato, bijutaria, criação, manualidades, viagem) (, , , , , )

Na semana passado fiquei um pouco baralhada: já não tinha massa de modelar, nem bolinhas de madeira para fazer anéis. A massa estava em Lisboa, e as bolinhas (pensava eu que) estavam no Cadaval. Por acaso tinha que viajar para estes sítios (é sempre um prazer!) e aproveitei para procurar os materiais.

lisboa

Em Lisboa, só por ser Lisboa, comprei numa lojinha da rua Miguel Bombarda algumas contas cujas cores me encantaram. Não costumo usar plástico ou contas já feitas, mas afinal porque não? Eram de Lisboa, eram bonitas 🙂 Mas sobre a minha querida Lisboa, com mais pormenores, noutra altura… 

Resolvi num instante o assunto “massa” e estava a preparar-me para resolver o assunto “madeira”, quando fui informada que a lojinha que vendia aquilo de que eu precisava… já não existia. Já estava a ver as ideias que tinha a cairem no chão, como balões depois de esvaziados de ar.

broeiras

Lá, perto de Cadaval, na casa de familiares queridos, para esquecer o “drama”, pus-me a trabalhar com as “contas lisboetas” e o resultado foi satisfatório. Não sei se concordam…

caramel-ring

Ainda bem que lá há um anjinho que ficou impressionado(a) por me ver triste e que começou a fazer de Sherlock Holmes (um Sherlock lá, da região) para encontrar a lojinha. Agora está a trabalhar nisso e é uma pessoa especial, muito querida. Mesmo se não encontrar aquilo que procura, fiquei comovida com o gesto dela: o de tentar ajudar-me! Obrigada, Cristina!  

Permalink 4 comentários