“ensaio sobre a cegueira”

Julho 23, 2010 at 8:41 pm (fotos, tristeza) (, )

Permalink Deixe um Comentário

vinte anos

Dezembro 20, 2009 at 4:34 pm (história, histórias, música, pensamentos, tristeza, video) (, , , , )

Estes dias, há exactamente vinte anos, produzia-se na Roménia uma revolução terrível, sangrenta, demasiado sangrenta para o século XX. Caiu assim o regime comunista, duma maneira extremamente violenta, com  o sacrifício de centenas de pessoas inocentes, cujas famílias nunca saberão a verdade sobre as circunstâncias da morte das pessoas queridas. Uma revolução mal explicada, provocada por forças exteriores ou não, nunca vamos saber… Um abalo que mandou abaixo tudo à nossa volta, trazendo nas nossas vida uma realidade sobre a qual não sabíamos nada: a democracia.

Vinte anos de tentativas de crescermos, de esquecermos a humilhação e a pobreza, a censura, a fome e, sobretudo, o MEDO. A minha geração (e não só) cresceu numa realidade escura e fria, cheia de medo (medo de falar, de escrever, de ouvir certas coisas, medo de pensar). Tivemos que resistir à lavagem cerebral dos comunistas, tivemos que procurar sozinhos a cultura, o bom senso, tivemos que aprender sozinhos a liberdade.

Tentativas mais ou menos falhadas… nem sei! Sobrevivemos fisicamente, mas vamos levar provavelmente muito, muito tempo para voltarmos a ser pessoas sem medo e sem complexos…

Permalink 2 comentários

nova obsessão

Junho 8, 2009 at 10:10 pm (artes, criação, música, nostalgia, tristeza) (, )

Maravilhosa voz… Maria Raducanu!

PS: as galerias de fotos de bijutaria estão actualizadas!!!!

Permalink 5 comentários

jardins de chumbo

Abril 25, 2009 at 2:02 pm (artes, artesanato, bijutaria, criação, histórias, manualidades, nostalgia, pensamentos, tristeza) (, , , )

Ontem entrei num jardim cinzento.

Até ontem, costumava passear fascinada num jardim verde-brilhante, abria caminho por entre folhas de palmeira e arbustos lindamente florescidos. Perdia-me, agradavelmente, entre os caminhos e guiava-me as roseiras, petúnias, margaridas e cravos.

petunii

Nada estragava o silêncio e o perfume daquele jardim verde-brilhante, lá pensava estar em segurança. Estava a sentir que me tornava cor-de-rosa e cor de laranja, igual às flores.

copac-cu-flori

Mas chegou uma ventania estranha, tão estranha, que o céu escureceu e os pássaros caíam do alto do céu, fulminados de pasmo. Corri a toda a força, mas a tempestade apanhou-me e levou-me para um outro jardim, onde tudo era verde escuro e cinzento. Lá, deixou-me cair. E lá fiquei…

grey garden

Agora estou a tentar, esforçadamente, escapar daquele jardim cinzento…

Permalink Deixe um Comentário

alifantis

Abril 12, 2009 at 11:36 am (artes, criação, histórias, música, nostalgia, tristeza, video) (, )

“Emoção de Outono” é uma das canções da minha adolescência, uma daquelas músicas imortais que, pela simplicidade da linha melódica e a pela beleza das palavras, é impossível não conquistar os corações.

Nicu Alifantis, o autor da música, é conhecido sobretudo por ter posto em música versos dos melhores poetas romenos. O resultado é inesquecível. Vou voltar noutro domingo com este cantor…

Permalink 2 comentários

má notícia

Março 26, 2009 at 3:27 pm (histórias, música, pensamentos, tristeza, video)

Passou por aqui, para pedir os direitos dela, a Morte. Há muito tempo estava por aqui, talvez escondida no alto das árvores do jardim, atrás duma porta qualquer ou em cima do telhado. Talvez a tenhamos confundido com um pássaro, uma aranha ou um rangido estranho de porta. Talvez tenhamos olhado para ela tantas vezes, disfarçada, mas não a reconhecemos.

copaci1

Deve ter ficado escondida por aí, a afiar os dentes, e depois atacou. Levou um homem que amava a Vida mais do que qualquer outra coisa, que amava tudo o que a Vida tinha de bom. Passou por aqui como um sopro gelado e aterrorizou-nos. Fez desaparecer um homem que, até ontem, se sentava à mesa connosco, que se ria connosco e com as nossas brincadeiras. Um homem que estava VIVO.

apus

O sopro DELA congela-nos sempre que entramos em contacto, como se nós também morressemos um pouco, ao mesmo tempo. Em vez de nos dar mais vontade de viver, por contraste, a Morte ameaça-nos com o dedo e lembra-nos quão fágeis somos: uma mão cheia de pó com um pouco de luz divina a animá-la. Só isso.

Permalink 3 comentários

o mau olhado

Fevereiro 25, 2009 at 10:50 pm (artes, artesanato, bijutaria, criação, histórias, manualidades, tristeza) (, , , )

Hoje tive muito azar. Uma das situações foi que estive a trabalhar durante horas em dezenas de fotos, a prepará-las para serem publicadas no blogue, a organizá-las para facilitar a minha vida nas próximas semanas, e depois de tanto esforço, o cartão em que estava a guardar tudo danificou-se irremediavelmente.

Deve ter sido um mau olhado 😉 é por isso que decidi usar mais encarnado, para manter longe de mim este tipo de coisas (é o que se diz na Roménia, pelo menos).

red-wilma

Mas não pensem que me esqueci das minhas pedras só porque nos últimos dias fiz aqueles símbolos da Primavera que se prendem na lapela das mulheres no dia 1 de Março e nos dias seguintes, na minha terra (podem vê-los aqui) e que se chamam Martisoare.

red-wilma2

Portanto, encarnado! E espero que funcione, que nunca mais se aproxime de mim o mau olhado, para me estragar as coisas do computador!

red-wilma-pendant

Permalink 3 comentários

pseudo-valentim

Fevereiro 14, 2009 at 3:54 pm (música, pensamentos, tristeza, video) (, )

Vou dedicar este post a todos os que não têm amor, que procuram mas não encontram o par, às meninas que ainda esperam pelo príncipe encantado em cima do cavalo branco (não existe!), aos rapazes tímidos que não conseguem  declarar aquilo que sentem, etc.

Vou dedicar este post às pessoas sozinhas, que sentem neste dia de São Valentim o dobro da solidão.

Para isso há uma solução: viver o momento, arranjar amor ajudando os outros, amando o próximo, amando-nos a nós próprios. E vamos pôr  música aos berros, é a festa de estarmos vivos!

Permalink Deixe um Comentário

o na-ri-na

Fevereiro 11, 2009 at 10:01 pm (histórias, música, nostalgia, pensamentos, tristeza, viagem, video) (, )

Inspirada pelos 21º C que estiveram lá fora hoje e pelas conversas que tive, a evocar histórias da África que parecem ter acontecido há muito, muito tempo (só 5 anos, na verdade), dei por mim obcecada novamente por uma música. Reparei que às vezes faço a minha vida ao ritmo duma música ou de outra, que me “zumbem” na cabeça sem que eu lhes dê atenção. Isso é tão normal para mim, que até agora nem me apercebi desta realidade.

A canção que vos apresento hoje é de Cabo Verde, um paraíso que gostaria de visitar um dia. A África é uma terra de sonho ou de pesadelo, depende da perspectiva…

mozambic

Ar quente e húmido, terra vermelha, frutos incrivelmente saborosos, uma abundância de maravilhas naturais que te enche o coração, cores brilhantes debaixo duma luz que é única.

morrungulo

Além desta riqueza natural – a desgraça, a fome, as barracas, a miséria, o desespero. Crianças com o nariz colado à janela do restaurante, a pedirem comida, crianças a entrelaçarem palhinha para fazerem peças de mobiliário por encomenda, à beira da estrada (maravilhosos trabalhos!), crianças dispostas a fazerem qualquer coisa para uma moeda ou um pão. A África é demais… Só podes amá-la ou detestá-la…

maputo

Permalink Deixe um Comentário

concha buika

Janeiro 3, 2009 at 6:13 pm (artes, música, nostalgia, tristeza, video) (, )

Descobri esta cantora maravilhosa e esta canção que não me sai da cabeça. Não resisto à tentação de a partilhar convosco.

Permalink 2 comentários

Next page »