vinte anos

Dezembro 20, 2009 at 4:34 pm (história, histórias, música, pensamentos, tristeza, video) (, , , , )

Estes dias, há exactamente vinte anos, produzia-se na Roménia uma revolução terrível, sangrenta, demasiado sangrenta para o século XX. Caiu assim o regime comunista, duma maneira extremamente violenta, com  o sacrifício de centenas de pessoas inocentes, cujas famílias nunca saberão a verdade sobre as circunstâncias da morte das pessoas queridas. Uma revolução mal explicada, provocada por forças exteriores ou não, nunca vamos saber… Um abalo que mandou abaixo tudo à nossa volta, trazendo nas nossas vida uma realidade sobre a qual não sabíamos nada: a democracia.

Vinte anos de tentativas de crescermos, de esquecermos a humilhação e a pobreza, a censura, a fome e, sobretudo, o MEDO. A minha geração (e não só) cresceu numa realidade escura e fria, cheia de medo (medo de falar, de escrever, de ouvir certas coisas, medo de pensar). Tivemos que resistir à lavagem cerebral dos comunistas, tivemos que procurar sozinhos a cultura, o bom senso, tivemos que aprender sozinhos a liberdade.

Tentativas mais ou menos falhadas… nem sei! Sobrevivemos fisicamente, mas vamos levar provavelmente muito, muito tempo para voltarmos a ser pessoas sem medo e sem complexos…

Anúncios

Permalink 2 comentários

jardins de chumbo

Abril 25, 2009 at 2:02 pm (artes, artesanato, bijutaria, criação, histórias, manualidades, nostalgia, pensamentos, tristeza) (, , , )

Ontem entrei num jardim cinzento.

Até ontem, costumava passear fascinada num jardim verde-brilhante, abria caminho por entre folhas de palmeira e arbustos lindamente florescidos. Perdia-me, agradavelmente, entre os caminhos e guiava-me as roseiras, petúnias, margaridas e cravos.

petunii

Nada estragava o silêncio e o perfume daquele jardim verde-brilhante, lá pensava estar em segurança. Estava a sentir que me tornava cor-de-rosa e cor de laranja, igual às flores.

copac-cu-flori

Mas chegou uma ventania estranha, tão estranha, que o céu escureceu e os pássaros caíam do alto do céu, fulminados de pasmo. Corri a toda a força, mas a tempestade apanhou-me e levou-me para um outro jardim, onde tudo era verde escuro e cinzento. Lá, deixou-me cair. E lá fiquei…

grey garden

Agora estou a tentar, esforçadamente, escapar daquele jardim cinzento…

Permalink Deixe um Comentário

balões de ouro

Abril 21, 2009 at 1:42 pm (artes, artesanato, bijutaria, criação, histórias, manualidades, pensamentos) (, , , )

Hoje quero mostrar-vos um anel muiti “festivo”. Apesar de a festa da Páscoa ter passado, pode ser festa todos os dias, se asssim o quisermos. A festa de estarmos vivos.

golden baloons

Balões voando em todo o lado, reflectindo em tons dourados a luz do dia, balões frágeis, cuja vida é curtíssima, só que isso não nos impede de gostarmos tanto de os ver.

Balões passageiros…

Não estão a ver que há festa???

Permalink 1 Comentário

volver

Abril 19, 2009 at 3:18 pm (histórias, música, nostalgia, pensamentos, viagem, video) (, , , )

Estou de volta. Depois duma semana rica em acontecimentos, sinto que devo contar-vos o que tenho feito, além de negligenciar este blogue.

Comecei, na semana passada, por visitar os meus cunhados das Caldas da Rainha, em cuja casa sempre me senti como num pequeno paraíso. A paz e o bom ambiente, a simpatia deles e a falta de preocupações, a paisagem e a papinha boa da Cristina conseguiram sempre carregar as minhas baterias, e eu bem precisava, para poder enfrentar um internamento e uma cirurgia.

casa-broieras1apus-broieras1

Na segunda-feira passada fui para o hospital CUF para uma tiroidectomia. Correu tudo bem, fui bastante mimada no hospital, o cirurgião foi um artista, tive o apoio incondicional do meu marido. A experiência, apesar de traumatizante por ser… aquilo que é, acabou bem e tirou um grande fardo dos meus ombros. A vida sabe melhor depois disso, estou muito contente.

eu

Na quarta-feira, dia dos meus anos, tive alta do hospital depois duma visita simpática do cirurgião (que, para se despedir de maneira engraçada, deu-me umas pancadinhas na cicatriz ahah 😦 ). Fui parar a um restaurante, junto com a minha amiga Claudia e o meu marido, claro.

restaurant

Foi o dia de anos mais… diferente da minha vida. Aliás, foi a segunda vez que passei esse dia no hospital (a primeira foi há uns 6 anos, quando estive no hospital de Faro com um joelho a dar-me cabo da cabeça).

Agora estou novamente nas Caldas da Rainha, a desfrutar a hospitalidade dos meus cunhados. Amanhã, depois de resolver alguns assuntos, volto ao Algarve, para continuar o meu trabalho e a vida normal.

E, por ser Domingo (não se esqueceram?), há música romena. Eis a “Balada” dum compositor romeno da época romântica, Ciprian Porumbescu, um dos melhores da minha terra. Esta música mexe comigo, portanto merce estar aqui, no meu “top” de músicas.

Permalink 3 comentários

má notícia

Março 26, 2009 at 3:27 pm (histórias, música, pensamentos, tristeza, video)

Passou por aqui, para pedir os direitos dela, a Morte. Há muito tempo estava por aqui, talvez escondida no alto das árvores do jardim, atrás duma porta qualquer ou em cima do telhado. Talvez a tenhamos confundido com um pássaro, uma aranha ou um rangido estranho de porta. Talvez tenhamos olhado para ela tantas vezes, disfarçada, mas não a reconhecemos.

copaci1

Deve ter ficado escondida por aí, a afiar os dentes, e depois atacou. Levou um homem que amava a Vida mais do que qualquer outra coisa, que amava tudo o que a Vida tinha de bom. Passou por aqui como um sopro gelado e aterrorizou-nos. Fez desaparecer um homem que, até ontem, se sentava à mesa connosco, que se ria connosco e com as nossas brincadeiras. Um homem que estava VIVO.

apus

O sopro DELA congela-nos sempre que entramos em contacto, como se nós também morressemos um pouco, ao mesmo tempo. Em vez de nos dar mais vontade de viver, por contraste, a Morte ameaça-nos com o dedo e lembra-nos quão fágeis somos: uma mão cheia de pó com um pouco de luz divina a animá-la. Só isso.

Permalink 3 comentários

pinturas rupestres

Março 18, 2009 at 11:33 pm (artes, artesanato, bijutaria, criação, história, histórias, manualidades, pensamentos) (, , )

Um dia, o homem que vivia na caverna sentiu-se inspirado pelos deuses. Farto de desenhar só animais e pessoas nas paredes da gruta (normalmente para avisar a esposa que iria caçar com os amigos), o artista começou a riscar na rocha um sinal que lhe pareceu misterioso e harmonioso.

rupestru

Já tinha desenhado outros símbolos nas paredes da gruta, mas este agradou-lhe bastante.

parede

À luz do fogo doméstico, o nosso homem sentou-se e ficou a olhar para o seu desenho, sonhador.

fogo

Sonhava que, no futuro, quando o mundo seria irreconhecível, quando a caça ficaria escassa nas florestas, quando a água ficaria envenenada nos rios, o céu seria atravessado por aves imensas, brilhantes, que nem sequer precisam de mexer as asas para voarem, naquela altura alguém, uma outra pessoa, iria contemplar o mesmo desenho, a pensar nele, o homem da caverna.

rupestru3

E este pensamento fê-lo sentir-se feliz: a sua arte não iria morrer…

Permalink 10 comentários

carnaval

Fevereiro 24, 2009 at 3:17 pm (artes, filme, histórias, música, pensamentos, viagem, video) (, , )

Sempre que é carnaval não posso deixar de pensar na Veneza e no Brasil. É normal fazer estas associações, e este ano não é uma excepção para mim.

Já ouvi falar muito sobre os bailes da Veneza, mas para mim são longínquos e não me dizem nada. Nunca fui à Itália (apesar de querer fazer turismo lá, um dia destes) e nunca me atraiu com nada de especial. Não como Portugal.

rio

(As fotos do Brasil tirei-as do site www.fotos-hz4.com)

Muito mais longínquo, em termos geográficos, é o Brasil, mas sinto-me mais familiarizada com a cultura brasileira (de certeza é uma falsa impressão)

brasil

Alguns leitores do meu blogue romeno tocaram no assunto do livro que eu traduzi e que foi escrito por um brasileiro (Cidade de Deus, autor Paulo Lins).

orasul-domnului-polirom1

Eu sei, não tem nada a ver com a bijutaria, mas também não é nenhuma vergonha admitir que traduzi um livro, portanto vou afirmar claramente que é um livro muito interessante, e o filme inspirado nesse livro é extraordinário.

Ao ver o filme Slumdog Millionaire (tãi falado nestes dias) lembrei-me de alguma maneira da Cidade de Deus: os bairros de lata, a miséria, as crianças que tentam sobreviver, a violência, estes são pontos comuns dos dois filmes, pelo menos a uma análise superficial deles. Quem não viu nenhum deles, perdeu 🙂

cristo-redentor

No livro de que estou a falar, o Carnaval ocupa um lugar bem definido, vê-se quão a sério estão a levar os brasileiros esta festa. Para mim, pelo menos, foi muito interessante saber tudo isso, é um mundo tão longínquo e tão diferente…

Hoje vou tentar deixar aqui uma pequena homenagem ao Carnaval, ao Brasil, à samba e ao filme Cidade de Deus, tudo duma vez, para poupar espaço 🙂


Permalink 3 comentários

inocência

Fevereiro 20, 2009 at 10:17 pm (artes, artesanato, bijutaria, criação, histórias, manualidades, nostalgia, pensamentos) (, )

Levamos todos connosco, até ao fim da vida, uma semente de inocência que guardamos desde a infância. Grande ou pequena, visível ou não para as pessoas que nos rodeiam, a criança que jaz em os é provavelmente a melhor parte de nós e a única que não se altera.

ciupercuta1

Reminiscência do paraíso pelo qual todos nós passámos, chamado “infância feliz”, representam às vezes o único consolo, e o mais seguro, nos momentos em que nos deixamos levar pelas ondas da vida (que nos atira por vezes com a cabeça contra as rochas ou para areias longínquas e desconhecidas).

filipa-e-mia

filipa-mia

Aproveitei para brincar quando me pediram anéis para meninas, pequenas futuras mulheres que já gostam de enfeites e de ficarem bonitas. Elas quiseram anéis parecidos àqueles que usam as mães delas.

kids6

kids5

kids3

Fi-los coloridos e alegres (como os grandes, aliás). Espero que as miúdas gostem…

kids4

kid1

kids2

Permalink 2 comentários

pseudo-valentim

Fevereiro 14, 2009 at 3:54 pm (música, pensamentos, tristeza, video) (, )

Vou dedicar este post a todos os que não têm amor, que procuram mas não encontram o par, às meninas que ainda esperam pelo príncipe encantado em cima do cavalo branco (não existe!), aos rapazes tímidos que não conseguem  declarar aquilo que sentem, etc.

Vou dedicar este post às pessoas sozinhas, que sentem neste dia de São Valentim o dobro da solidão.

Para isso há uma solução: viver o momento, arranjar amor ajudando os outros, amando o próximo, amando-nos a nós próprios. E vamos pôr  música aos berros, é a festa de estarmos vivos!

Permalink Deixe um Comentário

o na-ri-na

Fevereiro 11, 2009 at 10:01 pm (histórias, música, nostalgia, pensamentos, tristeza, viagem, video) (, )

Inspirada pelos 21º C que estiveram lá fora hoje e pelas conversas que tive, a evocar histórias da África que parecem ter acontecido há muito, muito tempo (só 5 anos, na verdade), dei por mim obcecada novamente por uma música. Reparei que às vezes faço a minha vida ao ritmo duma música ou de outra, que me “zumbem” na cabeça sem que eu lhes dê atenção. Isso é tão normal para mim, que até agora nem me apercebi desta realidade.

A canção que vos apresento hoje é de Cabo Verde, um paraíso que gostaria de visitar um dia. A África é uma terra de sonho ou de pesadelo, depende da perspectiva…

mozambic

Ar quente e húmido, terra vermelha, frutos incrivelmente saborosos, uma abundância de maravilhas naturais que te enche o coração, cores brilhantes debaixo duma luz que é única.

morrungulo

Além desta riqueza natural – a desgraça, a fome, as barracas, a miséria, o desespero. Crianças com o nariz colado à janela do restaurante, a pedirem comida, crianças a entrelaçarem palhinha para fazerem peças de mobiliário por encomenda, à beira da estrada (maravilhosos trabalhos!), crianças dispostas a fazerem qualquer coisa para uma moeda ou um pão. A África é demais… Só podes amá-la ou detestá-la…

maputo

Permalink Deixe um Comentário

Next page »